OAB/AL encaminha relatório ao MPE/AL denunciando CCZ de Maceió (AL)

Depois de inúmeras denúncias recebidas, a comissão de bem estar animal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em Alagoas encaminhou um relatório ao Ministério Público Estadual (MPE/AL) e aguarda providências do órgão quanto à situação do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) de Maceió.
“O que acontece por lá é monstruoso. O que fazem [o CCZ] semanalmente é desumano”, disse Dra. Adriana Alves, presidente da comissão do Bem Estar Animal da OAB/AL. “Temos um caso concreto e diariamente recebemos muitas denúncias sobre as atrocidades que acontecem por lá. Mas a OAB não tem competência de Polícia, só podemos encaminhar a situação e o MPE deve tomar as providências”, explicou.
A direção do CCZ de Maceió não nega as eutanásias que realiza nos animais que lá chegam, mas justificam como sendo uma medida necessária, já que o local se encontra superlotados de animais de rua.
Sobre essa justificativa, a advogada foi enfática e afirmou que é falsa. Segundo ela, os canis estão vazios e, mesmo que isso acontecesse, não se pode permitir a eutanásia de animais saudáveis. Para a advogada, o procedimento só deve ser utilizada em último caso, quando o animal pode trazer risco a saúde da população e deve ser justificado através de laudo circunstancial do técnico que o vai realizar.
“Recebemos denúncias que até filhotes, que são tão facilmente adotados, estão sendo eutanasiados por lá”, disse. “Eles estão colocando a carrocinha na rua, mas é só isso que estão fazendo: recolhendo para matar. Nós queremos que eles façam uma política de educação ambiental, um trabalho de esterilização, campanhas para adoção. Não matar simplesmente”, enfatizou dra. Adriana Alves.
 

Comentários

Postagens mais visitadas